Dar menos dados ao Facebook é uma boa ideia. Melhor ainda: Basta usá-lo menos


📅

Você pode tomar algumas medidas para limitar o quanto o Facebook sabe sobre você. Mas desde que você use o serviço, ele pode monetizar seus interesses e atividades.

Os últimos meses serviram de muitas razões para ver o Facebook como a rede antissocial.
Isso permite que os candidatos políticos estejam em anúncios pagos que podem então microdirecionar para os facilmente enganados. Tolera páginas falsas até que cães de guarda externos os chamem. E foi escolhido—em contraste com o Twitter—olhar além do presidente Trump mentindo sobre cédulas de correio ou endossando execuções extrajudiciais por tropas dos EUA nas ruas dos EUA.
O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, declarou sua própria “reação negativa visceral” às postagens reacionárias de Trump. Mas o Facebook ainda dá ao site de adoração Trump, frequentemente impreciso, Breitbart, um lugar privilegiado na seção de Notícias de seu aplicativo móvel. E o fã de tecnologia mais proeminente de Trump, o investidor ameaçador de imprensa Peter Thiel, mantém um lugar no conselho do Facebook.
Se você vê Zuckerberg e o Facebook no lado errado da história—um sentimento agora expresso por alguns funcionários do Facebook—empurrar o site para fora sua câmara de mídia social pode ser tentador.
Mas como os autoexilados do Facebook, como meu amigo Dan Tynan, descobriram, excluir o Facebook significa perder muita interação que não acontece em outros lugares online.
Em vez disso, você pode continuar usando o Facebook para seu uso principal de amigos e familiares enquanto se torna menos um ativo para essa empresa?
A resposta evoca aquele velho standby do Facebook: É complicado. Você pode e deve tomar medidas importantes para limitar a coleta de dados do Facebook. Mas embora você possa raspar o dinheiro que o Facebook ganha vendendo anúncios direcionados aos seus interesses, essa tática não é tão eficaz quanto gastar menos tempo—ou nenhum tempo—no serviço.
“Isso é realmente muito difícil”, diz Nima Gardideh, cofundadora da agência de marketing de Nova York Pearmill. “Mesmo que você esteja nos extremos tentando proteger seus dados, a realidade é que o Facebook o entende muito bem.”
PASSOS ESSENCIAIS
Considere duas das atualizações de privacidade mais comumente sugeridas: bloquear os aplicativos móveis do Facebook de rastrear sua localização em segundo plano e impedir que o serviço rastreie sua navegação na web através dos botões Curtir e Compartilhar em sites como este.
(Meu próprio blog também tinha widgets do Facebook até que eu os excluí—principalmente porque o Google relatou que eles atolavam os tempos de carregamento.)
Por motivos de privacidade, você deve fazer as duas coisas imediatamente. Exercite as configurações no iOS ou Android para bloquear o rastreamento de localização em segundo plano do aplicativo do Facebook, use a configuração Atividade Fora do Facebook para impedi-lo de rastrear sua navegação em outro lugar e limite o uso do Facebook na área de trabalho a navegadores como Mozilla Firefox e Safari da Apple que bloqueiam esse rastreamento.
O Facebook não respondeu às minhas perguntas sobre quantos usuários optaram por não participar dessas duas formas de rastreamento, mas certamente se beneficia das informações que essas etapas ajudam a proteger. “Não posso enfatizar o suficiente o quão crítico é para o Facebook, ou para qualquer empresa que esteja competindo para vender publicidade, ser capaz de rastrear usuários de sua própria propriedade”, diz Dina Srinivasan, uma ex-executiva de publicidade digital que agora critica a indústria como bolsista do Thurman Arnold Project, hospedado pela Universidade de Yale.
Mas essas informações são menos essenciais para o Facebook, desde que você continue gastando tempo no próprio Facebook.
“Sim, você pode desativar essas opções e menos informações serão coletadas sobre você”, disse Yuval Ben-Itzhak, CEO da agência de publicidade Socialbakers de Nova York. “Mas haverá informações suficientes coletadas sobre você apenas por estar na plataforma.”
Ele acrescentou que sua empresa ainda vê maior engajamento para anúncios veiculados no Facebook do que em outros lugares: “Isso indica onde o valor está.”
Se você quiser prejudicar o modelo de negócios do Facebook, também precisará prejudicar seu tempo lá—mesmo que o Facebook continue a otimizar, como Gardideh disse, “fazendo que você, o usuário, continue voltando”.
Gardideh, farto da abordagem imprudente do Facebook a Trump, agora está aconselhando os clientes da Pearmill a desviar seus gastos com anúncios em outro lugar. Na quarta-feira, uma coalizão liderada por grupos como a NAACP, a Liga Antidifamação e a Free Press lançou uma campanha #StopHateforProfit pedindo às empresas que retirassem todos os seus anúncios das propriedades do Facebook ao longo de julho; a Face Norte, Patagônia e REI assinaram desde então.
Aparar sua lista de amigos para pessoas que você convidaria para sua casa e, em seguida, sair da maioria dos grupos e páginas que você segue lhe dará menos razões para passar tempo no Facebook sem prejudicar seu valor central de relacionamentos íntimos.
Desativar as notificações do Facebook também pode diminuir seu tempo de tela lá. No iOS, excluir o aplicativo móvel do Facebook e usar apenas seu site móvel zerará sua capacidade de puxar sua capa digital, porque sites móveis não podem enviar notificações push em iPhones.
“A coisa mais significativa que fiz foi excluir os aplicativos do meu telefone,” disse Jason Kint, CEO do grupo de publicação on-line Digital Content Next e crítico do alcance do Facebook e do Google. “Isso você pode fazer sem perder o próprio conteúdo.”
Gardideh, Srinivasan e Kint voltam a regulamentar para restringir a coleta de dados do Facebook. Forçar o Facebook a desfazer sua compra do Instagram também daria às pessoas a escolha de redes sociais mobile-first usadas em massa.
Mas Kint manteve a esperança de pequenas ações começando a bola de neve.
“Se você reduzir seu uso em 10% ou excluir os aplicativos, pessoas suficientes fazem isso e isso começa a ter um impacto significativo nos negócios.”

Por: Rob Pegoraro
Tradução: Gustavo Saez
Fonte: FastCompany

🏷