Novo projeto da Mozilla quer revelar as práticas de Rastreamento e Coleta de Dados do Facebook


📅

Uma borracha apontando para uma opção clara de histórico da Internet em um computador.

Na última tentativa de focar nas práticas de rastreamento e coleta de dados do Facebook, a Mozilla (criadora do Firefox) se uniu à organização sem fins lucrativos The Markup.

A dupla está recrutando para o estudo Facebook Pixel Hunt, pedindo aos usuários que baixem o Rally – uma plataforma que procura priorizar a privacidade ao compartilhar dados (privacy-first data-sharing plataform) da Mozilla, lançada no ano passado – e compartilhem seu próprio comportamento de navegação.

As ferramentas fornecidas pelo Rally permitem o monitoramento do pixel do Facebook, um pedaço de Javascript que rastreia as ações dos usuários em resposta a anúncios. Eles devem permitir que as empresas examinem quais dados são coletados, com quais sites são compartilhados, quais dados revelam sobre os usuários e quão difundida a rede de rastreamento do Facebook realmente é.

O que diz a Mozilla?

Uma ferramenta como o Rally pode reunir toda a força das comunidades de pessoas para fornecer insights sobre uma das partes mais opacas da internet que têm um impacto tão dramático em nossas vidas individuais e na sociedade. Esta é uma oportunidade rara de levantar o véu sobre as práticas de rastreamento e coleta de dados do Facebook fora das plataformas do Facebook“.

Ted Han (Líder de produtos na Mozilla)

O projeto visa se basear em uma colaboração anterior com o Centro de Política de Tecnologia da Informação da Universidade de Princeton sobre notícias e desinformação sobre política e COVID-19 em serviços on-line, bem como outro estudo em andamento com a Stanford University Graduate School of Business sobre o consumo de notícias e o impacto dos anúncios.

A internet e o mundo não podem esperar que as plataformas façam a coisa certa, especialmente quando tanta coisa depende disso

Ted Han

No entanto, projetos anteriores com objetivos semelhantes fracassaram. No verão passado, por exemplo, o Facebook proibiu as contas de pesquisadores da Universidade de Nova York (NYU) que estudavam o microdirecionamento de anúncios políticos em usuários por meio de um projeto chamado Ad Observer, em um movimento condenado pela Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC).

A empresa também fechou o CrowdTangle, a ferramenta de monitoramento de mídia social que forneceu acesso a tópicos de tendências, contas e comunidades públicas e postagens virais no Facebook, Instagram e Reddit, e bloqueou as ferramentas de Transparência de Anúncios da ProPublica.

Aparentemente, também modificou o código do site para impedir a coleta automatizada de dados de postagens de feed de notícias voluntárias pelo usuário, dificultando significativamente o trabalho de pesquisadores como o projeto Citizen Browser da The Markup.

Resta saber se o projeto Pixel Hunt se sairá melhor. Vamos torcer pra que sim.


Fonte: Forbes