Brave agora permite que você personalize os resultados da pesquisa – para melhor ou pior


📅

Muito provavelmente você já ouviu falar do navegador Brave. Inclusive eu mesmo o recomendo para uso no lugar do Google Chrome.

O que pode ser novidade para você é que o Brave tem se tornado um ecossistema de privacidade, trazendo um navegador todo personalizável e com recursos pró-privacidade já embutidos, além de possibilitar uma conectividade na rede Tor sem que use o navegador Tor para isto e também com um buscador, que, segundo a empresa, está em fase beta.

Eu já falei bastante do DuckDuckGo, um buscador que não te rastreia e que se envolveu numa polêmica recentemente que levou usuários a a desconfiarem do serviço e voltarem a acreditar que “privacidade só na caverna” ou “offline”.

Assim como DuckDuckGo, Startpage, e outros, o Brave Search é personalizável também, isto é, permite que defina como os resultados de suas buscas serão apresentados à você.

Os resultados demonstrados pelo Google buscador tem se tornado cada vez mais confusos. Se você abrir pesquisar por “sofá para apartamento pequeno”, você receberá anúncios mostrando suítes de canto elaboradas, seguidos por algumas perguntas comuns que as pessoas fazem (“como se chama um sofá muito pequeno?”).

A poucas rolagens para baixo da página, você alcançará os resultados reais da pesquisa. Haverá alguma variação com base em onde você está no mundo, seu histórico de pesquisa e outros fatores, mas, em grande parte, você está obtendo o mesmo tipo de resultado que todos os outros.

Já Brave Search está tentando abrir este mundo opaco e orientado por SEO de resultados de pesquisa com uma curadoria algorítmica. A partir de hoje, a Brave está tirando seu mecanismo de pesquisa da versão beta e testando uma nova ferramenta que permite que você personalize seus resultados de pesquisa.

Apelidados de Goggles (óculos de proteção, em uma tradução livre), essas ferramentas permitem que você reclassifique as páginas da web que aparecem no topo dos resultados da sua pesquisa, aplicando uma série de filtros a elas.

Por exemplo, um Goggles (não deve ser confundido com o Google) pode retirar as páginas do Pinterest dos seus resultados de pesquisa; ele pode mostrar apenas resultados de blogs de tecnologia ou impulsionar artigos de fontes de notícias políticas de esquerda ou direita.

Essencialmente, isso coloca você no comando dos resultados de pesquisa que você vê. A mudança é a primeira para um mecanismo de busca. “Os Goggles representam um impulso fundamental em direção à transparência e abertura algorítmicas na busca”, diz Josep M. Pujol, chefe de busca de Brave. No entanto, também levanta questões sobre o impacto que as bolhas de filtro têm nos resultados da pesquisa.

Como os mecanismos de busca funcionam exatamente é um segredo bem guardado, ostensivamente para impedir que os operadores de sites joguem no sistema. Em geral, os mecanismos de busca usam rastreadores da web que digitalizam e indexam páginas na web e, em seguida, as classificam com base em centenas de fatores diferentes. Aqueles com pontuações altas são mostrados no topo dos resultados da pesquisa.

“O ranking que ocorre é proprietário e invisível”, diz Belinda Barnet, professora sênior de mídia da Universidade de Swinburne, Austrália. Os Goggles da Brave não abrem seus próprios algoritmos de pesquisa ou tornam seu índice de pesquisa transparente, mas dão às pessoas mais poder sobre como pesquisam. “Os Goggles seriam uma espécie de intervenção, uma maneira de tornar o invisível visível, para os usuários corajosos em particular”, diz Barnet.

Os Goggles ficam ao lado da opção de pesquisa geral da Brave, diz Pujol, e não se destinam a substituir completamente a pesquisa padrão. No entanto, a ideia geral por trás dos Goggles é fácil de entender. Toque em uma consulta de pesquisa e uma guia Óculos ficará ao lado dos resultados da imagem, vídeo e notícias. Ele funciona aplicando uma série de filtros e regras aos resultados de pesquisa mostrados. Se você usar o Goggles para excluir resultados dos 1.000 sites mais visitados da web, por exemplo, quaisquer URLs desses sites não aparecerão nos resultados da pesquisa.

“Os Goggles são arquivos de texto simples e independentes que podem ser hospedados em qualquer lugar”, diz Pujol. “Esses arquivos contêm instruções que definem um reclassificador em uma sintaxe específica.” Pujol acrescenta que, quando um Goggles é usado, o mecanismo de pesquisa criará um conjunto “muito grande” de resultados e, em seguida, filtrará qualquer um que não se aplique.

Qualquer um pode criar ou alterar um Goggles. No entanto, no lançamento da versão beta, Brave criou oito óculos de proteção diferentes como exemplos. (Diz que eles serão excluídos assim que as pessoas criarem os seus próprios). Esses exemplos incluem Goggles para reclassificar os resultados de pesquisa para remover páginas imitadoras, remover resultados de pesquisa dos 1.000 principais sites, aumentar o conteúdo encontrado em blogs técnicos e muito mais.

Pujol diz que a Brave criou Goggles – que descreveu pela primeira vez em um white paper de 2021 – para ajudar a remover vieses dos resultados de pesquisa, incluindo aqueles na pesquisa da Brave, e dar às pessoas mais opções. “Os preconceitos estão por toda parte: os dados subjacentes, quais sites são mais fáceis de rastrear, quais modelos são escolhidos, seleção de recursos, vieses de apresentação, popularidade, a lista pode continuar indefinidamente”, diz Pujol. É muito difícil, se não impossível, remover todos os vieses dos resultados da pesquisa.

“Os Goggles permitirão a criação de vários universos dentro dos quais os usuários podem pesquisar”, diz Uri Gal, professor de sistemas de informação de negócios da Universidade de Sydney. Gal acrescenta que a mudança é bem-vinda em um mercado de pesquisa que “veve pouca inovação ou concorrência” nas últimas duas décadas. “Isso reduziria o risco de as pessoas terem uma visão única da realidade – ou daquela parte da realidade em que estão interessadas – que é criada e mantida por uma única plataforma (ex. Google, Facebook) baseado em algoritmos proprietários”, diz Gal.

Brave sabe que as pessoas podem usar Goggles para reforçar sua visão de mundo e filtrar assuntos que se alinham com suas crenças existentes. No lançamento, os óculos políticos de direita e esquerda foram criados pela AllSides, uma empresa americana que avalia as organizações de mídia por seu viés político. “Acreditamos na liberdade de expressão e, como tal, não cabe a nós decidir o que é certo ou errado”, diz Pujol. “A pessoa que usa Goggles está fazendo um ato consciente ao aplicar um verdadeiro óculos de proteção, e perspectivas contrárias devem estar prontamente disponíveis. Essa explicitação por si só é uma melhoria em relação ao cenário atual, onde esse tipo de alteração é feita sem que o usuário perceba.”

Brave diz que tratará os Goggles da maneira que faz com todos os resultados da web e “não os censurará ou policiará”, a menos que seja obrigado a fazê-lo legalmente, como remover casos de material de abuso sexual na infância.

Mas há perguntas sobre como isso funcionará na realidade. “Exercer o controle de viés é uma ação para os pensativos”, diz Bart Willemsen, analista vice-presidente com foco em privacidade da Gartner, que acrescenta que espera que os óculos de proteção possam ter resultados positivos. “Na abundância de informações disponíveis, incluindo desinformação e desinformação, curar corretamente o que se acredita ser relevante e o que não, ou mesmo falso, é uma tarefa enorme”, diz Willemsen.

Apesar do domínio do Google, há um mercado florescente para mecanismos de pesquisa alternativos focados na privacidade, que afirmam não rastrear usuários ou usar suas informações pessoais para anúncios assustadores. Isso inclui a Brave, que lançou sua pesquisa em versão beta no ano passado. Entre outros, todos com reivindicações de privacidade e maneiras de trabalhar ligeiramente diferentes, estão DuckDuckGo, StartPage e Mojeek. (O DuckDuckGo usa o Bing para ajudar a impulsionar seus resultados de pesquisa, enquanto o StartPage é baseado no Google.) Embora bilhões de pesquisas sejam feitas com alternativas do Google a cada ano, isso ainda é uma gota no oceano em comparação com o domínio do Google.

Os resultados de pesquisa que as empresas mostram, embora sejam baseados em vários fatores, podem ser controversos. As empresas podem enfrentar dificuldades com a ampliação de conteúdo político e questões relacionadas à liberdade de expressão.

Em outubro de 2021, o Twitter admitiu que seu algoritmo amplifica mais os políticos de direita do que os de esquerda. Recentemente, as pessoas da extrema direita reclamaram que o DuckDuckGo limitava a propaganda russa, embora seus resultados sejam parcialmente fornecidos pelo Bing da Microsoft. Em contraste, um estudo de 2019 realizado por pesquisadores da Universidade de Stanford descobriu que os resultados de pesquisa do Google não favoreceram nenhuma das alas políticas.

Quando a Brave estreou sua ideia de Goggles em 2021, a empresa disse que abriria uma oferta para incorporar Goggles em qualquer outro mecanismo de busca. Até agora, diz Pujol, não houve nenhuma conversa sobre isso. E grandes mudanças no status quo são improváveis. “Não consigo ver o Google ou qualquer outra plataforma importante que integre Goggles definidos pelo usuário”, diz Barnet. “Isso interferiria na maneira como eles personalizam a publicidade para você e como eles coletam dados sobre sua atividade para fornecer essa publicidade. Em outras palavras, isso interferiria no modelo de negócios deles.”


Fonte: Wired