O problema com os avós postando fotos de seus netos on-line


📅

Pesquisas indicam que o compartilhamento excessivo provavelmente resultará em até 7,4 milhões de casos de fraude de identidade até 2030, custando às gerações futuras mais de US$ 900 milhões.

Como muitos avós — e alguns pais — negociar a questão do consentimento em torno de postar fotos de crianças é, ainda, novo. Mas pense nas implicações. Se publicar a chegada de um filho ou neto on-line, este post irá para centenas de pessoas, se não milhões. Talvez mais. Pode até ter sido compartilhado com estranhos. E lá ele viveria online. Para sempre.

Hoje, as crianças têm uma pegada digital antes mesmo de nascerem. (Pense em todos os posts de gravidez que incluem imagens de ultra-som.) De acordo com um estudo de 2020 realizado pela Parent Zone, uma organização sem fins lucrativos do Reino Unido que estuda a vida familiar digital, o pai médio compartilha quase 1.500(!!!) imagens de seu filho antes do quinto aniversário. O termo “compartilhamento” para descrever esse fenômeno está se tornando parte do léxico.

Mas e os avós? Como os próprios pais vão desde postar todos os movimentos de seus filhos até nunca compartilhar uma foto on-line, descobrir como abordar o “grande compartilhamento” é complicado. “Saber quando compartilhar e onde compartilhar fotos nas mídias sociais é um grande problema”, diz Nancy Sanchez, que ministra uma aula de avós como parte de um programa perinatal na Stanford’s Children Health, na Califórnia. “Alguns pais têm preocupações reais com a privacidade, enquanto outros não se importam.”

Então, qual é o problema em postar fotos de crianças no Facebook, Instagram ou outras mídias sociais? As duas maiores preocupações são roubo de identidade pornografia infantil.

Roubar a identidade de uma criança é chocantemente fácil. Uma pesquisa do Bank of Barclay revelou que o compartilhamento excessivo dos pais provavelmente resultaria em até 7,4 milhões de casos de fraude de identidade até 2030, custando à geração futura mais de US$ 900 milhões. É muito fácil para os fraudadores juntarem nomes, aniversários e até endereços de postagens familiares on-line e, em seguida, usarem essas informações para roubar uma identidade. Também é útil para quebrar senhas. Pense em perguntas de segurança comuns — local de nascimento, nome da escola, equipe esportiva favorita ou animal de estimação — todas as informações reveladas regularmente on-line.

Além disso, de acordo com Leah Plunkett, autora de Sharenthood: Why We Should Think Before We Talk About Our Kids Online e professora de direito especializada em crianças e mídias digitais, agora sabemos que muitas imagens pornográficas são fotos de crianças reais, tiradas offline e fotografadas. Um estudo de 2019 feito pela Comissão de Segurança da Criança da Austrália descobriu que, de 45 milhões de imagens de crianças em sites pornográficos, cerca de metade foi retirada diretamente das mídias sociais.

O que um avô orgulhoso deve fazer? Especialistas dizem que essas preocupações não significam que você nunca deva compartilhar fotos de netos online. Mas isso significa que você deve pensar antes de fazê-lo.

“Meu objetivo nunca é envergonhar ou envergonhar pais ou avós e dizer a eles o que eles devem e não devem fazer, mas capacitá-los para que possam tomar decisões seguras”, diz Stacey Steinberg, professora de direito e autora de Growing Up Shared: How Parents Can Share Smarter nas mídias sociais – e o que você pode fazer para manter sua família segura em um mundo sem privacidade.

Uma coisa que é importante entender é que as configurações de “privacidade” das mídias sociais não são totalmente privadas. Heather, que preferiu não usar seu sobrenome por medo de alienar sua sogra, pediu repetidamente a ambos os conjuntos de avós que não publicassem fotos de seus filhos on-line sem permissão. Seus próprios pais obedeceram, mas não seus sogros.

“Minha sogra não conseguia entender a dica, não importa o quanto pedimos a ela para parar o compartilhamento público dos meus filhos que eu postei na minha conta privada apenas para amigos”, disse Heather. “Desativei a opção de compartilhamento, mas ela simplesmente baixava a foto e republicava. Agora eu quase nunca compartilho fotos.” Mesmo que você desative a capacidade de baixar uma foto, é fácil para alguém tirar uma captura de tela e depois reutilizar a imagem como quiser.

Para Marisa LaScala, editora sênior de pais e relacionamentos da Good Housekeeping, o compartilhamento de fotos não é tão preocupante, mas ainda pode causar problemas. O problema veio à tona enquanto visitava a casa de sua mãe em Delaware em novembro. LaScala decidiu tirar a foto do cartão de Natal de sua filha de 6 anos enquanto ela estava lá.

“Todos nós nos divertimos muito vestindo-a e preparando-a para a filmagem, mas quando acabou, tive que impedir minha mãe de postar imediatamente as fotos no Facebook”, lembra LaScala. “Eu disse: ‘Mãe, não me pegue neste; ainda nem é Dia de Ação de Graças!’ Agora, quando estamos juntos, ela sempre pergunta se vai me pegar se postar uma foto, mas está apenas me rasgando… principalmente.”

Parke Anderson, mãe de dois meninos, simpatiza com o desejo dos avós de compartilhar fotos, mas ainda defende a privacidade de seus filhos. “Eu entendo os dois pontos de vista”, diz ela. “Você está tão orgulhoso dessa linda vida, e só quer compartilhá-la com todos que ama, mas agora estamos cientes de que, quando está na Internet, é para sempre, então é complicado.”

Anderson conseguiu negociar compromissos. Ela deu a seus próprios pais uma moldura digital, que eles exibem em sua casa. Ela e sua irmã podem enviar fotos atualizadas do neto diretamente para o quadro para que seus pais possam apreciá-las na privacidade de sua casa e compartilhá-las com os visitantes. Para sua sogra, ela produziu um “livro de sepultura”, um álbum de fotos físico de 4″ x 6″.

“Ela tem na bolsa”, explica Anderson, “então, se ela estiver almoçando ou jogando golfe, ela pode tirá-lo e mostrá-lo aos amigos”.

As regras diferem em todas as famílias. Elizabeth Sovern tem permissão para postar fotos de seu neto em sua conta do Facebook, porque sua filha está confortável com as configurações de privacidade, mas não tem permissão para mostrar o rosto de sua neta em seu Instagram, que é público. Sovern gosta de postar fotos dos itens que tricotou para o bebê lá, mas não recusa as diretrizes de sua filha.

“Francamente, uma das alegrias dos avós é não ter que criar as regras”, diz Sovern. “Constantemente tomar decisões é uma das exausções da paternidade. Fazer o que minha filha diz é uma das partes mais fáceis dos avós. O que for preciso para colocar meu braço em volta daquela deliciosa criança mais uma vez!”

Mas a conversa nas mídias sociais pode ir nos dois sentidos. Os avós também podem ficar chateados com o comportamento on-line dos pais, diz Steinberg, autor de Growing Up Shared. Ironicamente, isso aconteceu em sua própria família. Ela deu à luz seu próprio filho assim que o Facebook estava se tornando popular. Os pais dela vieram para o parto. Mas o pai de Steinberg, que estava no corredor do hospital, viu a foto de seu neto no Facebook antes mesmo de lhe dizerem que o bebê havia nascido. Ele não estava feliz.

Não vamos adoçar isso. Este é um território difícil. Para alguns avós que foram convidados a não compartilhar imagens — mesmo aqueles que respeitam e aceitam as preocupações com a privacidade — ainda pode ser difícil.

“É muito difícil”, diz Margie Schoffman Milstein, que tem cinco netos com idades entre 15 meses e 12 anos. “Fui muito ciumento quando meus amigos colocam coisas sobre seus netos no Facebook. Eu envio fotos dos meus amigos mais próximos, mas não me parece o mesmo.”

As duas filhas de Jerry Josefs têm regras diferentes. Sua filha mais velha permite que ele publique fotos de seu neto de 8 anos e sua neta de 6 anos. Mas a outra filha não quer nenhuma imagem de seus dois filhos online.

“Eu odeio não poder postar”, diz Josefs. “Dói não poder postar fotos dos filhos da minha filha mais nova, mas tenho que respeitar a decisão dela e do meu genro.”

É claro que, à medida que os netos envelhecem, eles também têm uma palavra a dizer sobre quais imagens querem online. Também é difícil prever quais postagens atuais os envergonharão no futuro.

Pais e avós nos Estados Unidos têm amplas proteções de liberdade de expressão, portanto, seu comportamento on-line não é estritamente regulamentado. Mas essas proteções nem sempre se aplicam em outros países. Na Holanda, o desacordo de uma família chegou ao tribunal. Em 2020, um tribunal holandês ordenou que uma mulher removesse fotos de seus netos do Facebook e do Pinterest. Ela ignorou os repetidos pedidos de sua filha para tirar as imagens. A avó foi ameaçada com multas por todos os dias em que ignorava a ordem.

Em sua decisão, o tribunal disse: “Com o Facebook, não se pode descartar que as fotos colocadas possam ser distribuídas e possam acabar nas mãos de terceiros”.

Não é provável que disputas familiares sobre postagens de mídia social neste país cheguem ao tribunal. No entanto, os protocolos on-line precisam ser discutidos de maneira calma e sem julgamento. Pense no tópico da mesma forma que você pensa sobre os padrões de segurança alterados para posições de sono e assentos de carro. Não é uma crítica ao comportamento passado, simplesmente uma maior compreensão dos perigos potenciais.

“Navegar pelas práticas de ‘participação’ entre gerações pode ser volátil”, diz Plunkett, autor do Sharenthood. “Para os pais que procuram guiar os avós para hábitos mais saudáveis de ‘grande participação’, é melhor começar assumindo boas intenções por parte dos avós.”

Plunkett sugere explicar as preocupações de privacidade e segurança e, em seguida, oferecer orientações específicas sobre o que eles podem postar. Por exemplo, alguns pais não querem mostrar o rosto de seus filhos, usar seus nomes completos ou identificar uma localização geográfica. Uma conversa mais ampla sobre as implicações do compartilhamento de mídia social também pode ser útil para a geração que não cresceu com a Internet.

“Uma regra geral útil poderia ser pedir aos seus pais que pensem em como eles falaram sobre você quando você tinha a idade que seus netos têm agora”, diz Plunkett. “Pergunte aos seus pais que tipos de informações eles teriam compartilhado em uma carta de fim de ano ou em um jornal local. As chances são boas de que esse compartilhamento teria sido mais cauteloso do que o compartilhamento de mídia social de hoje. Tente fazer com que eles voltem às normas de compartilhamento de informações familiares das décadas de 1980 e 1990 do mundo analógico no digital de hoje.”

O que me traz de volta aos meus anúncios de nascimento em papel. É alucinante pensar em como a tecnologia explodiu desde então. Por enquanto, estou tentando equilibrar minha própria excitação e orgulho dos avós com a percepção de que há muito em compartilhar on-line que não entendo. Enquanto isso, eu gostaria de poder incluir uma foto da minha doce neta neste artigo. Mas eu não posso. Você só terá que acreditar na minha palavra — ela é preciosa.


Fonte: GH